Este site utiliza cookies. Continuando a navegar está automaticamente a autorizar os mesmos. Saber mais Continuar
Abril….

Abril….

Mês de dias mais longos, com mais Sol, mais luz e este ano mais doce, de amêndoas e chocolate à mesa para festejar a Páscoa!

Vamos, pois, à procura! Voltemos a tentar! Com a Esperança renovada, a cada dia.

De mãos dadas com os nossos parceiros da “Fundação S. João de Deus”, concretamente PE. Álvaro Lavarinhas, OH, a quem muito agradecemos, retomemos o rumo!

Boas leituras!

A Presidente da Delegação de Lisboa
Sandra Mourinha

 


Gosto da Páscoa. Gosto da alegria que brota deste acontecimento cristão e contagia as pessoas.

Gosto da Páscoa como renascimento, renovação, transformação; tempo de celebrar a vida nova, a Primavera, a Esperança.

Gosto da Páscoa por ser tempo de renovarmos sentimentos. De recomeçarmos algo que não terminámos. De valorizarmos a abundância que a Vida nos dá! De abrirmos os corações e criarmos um Mundo melhor.

Gosto da Páscoa por ser sinónimo de cor e de alegria, de frio ou calor. Fora de Portugal, vários são os países que celebram a Páscoa, cada um com as suas tradições e caraterísticas culturais diferentes. Contudo, e apesar das diferenças, a Páscoa é celebrada um pouco por todo o mundo.

Para os Cristãos, a Páscoa é tempo de reflexão e assinala a morte e ressurreição de Jesus Cristo. Para os judeus, lembra o êxodo do Egipto e sabiam que o ovo, presente em muitas das comemorações, é símbolo de fertilidade?

Gosto da Páscoa, das celebrações litúrgicas: a liturgia da bênção do lume novo, a liturgia da Palavra que nos relata os acontecimentos da História da salvação, a Liturgia Baptismal. Tudo isto realizado na Missa da Vigília Pascal.

Gosto da Páscoa e do cheiro a lavado e da cal das casas que são limpas e algumas também são caiadas para receber a visita pascal.

Gosto do compasso do Juiz da Cruz de opa branca de seda ou de toalha de linho ao ombro traçada debaixo do braço onde irá pousar a cruz enquanto caminha para dar a beijar o Cristo Ressuscitado a todos os que acreditam e sentem essa alegria. Gosto de ver os mordomos de luvas brancas, imaculadas, para não manchar a cruz de prata muito bem decorada que exala um suave perfume comparável ao que brotava do sepulcro aberto, donde Cristo ressuscitou vitorioso da morte.

O Compasso, que simboliza a entrada de Jesus Cristo Ressuscitado na casa de cada família, com a bênção e aspersão sobre todos os que ali habitam. As pessoas da família, amigos e vizinhos reúnem-se e ajoelhados ou de pé na sala principal, é-lhes dada a cruz a beijar. No fim, todos, à volta da mesa que costuma ter amêndoas, doces da Páscoa, tremoços e o tradicional pão-de-ló, licores e vinho do Porto, brindam à alegria da Ressurreição de Cristo.

Também é tradição popular oferecer uma prenda aos afilhados. Os padrinhos e madrinhas costumam oferecer um folar aos afilhados.

Páscoa há em todo o lado onde se celebra renova e actualiza o mistério da Paixão, Morte e Ressurreição do Senhor Jesus Cristo. Mas no Minho a Páscoa transcende a celebração liturgica dentro da igreja. A Páscoa sai da igreja e vai de porta em porta percorrendo todas as casas ou quase todas e os caminhos das aldeias e cidades.

Gosto do cheiro a flores, misturadas com verduras que formam tapetes coloridos mais ou menos arranjadinhos para nosso Senhor poder passar.

Gosto da Páscoa por ser o mistério da fé dos cristãos. Não houve reportagem no local, mas os cristãos acreditam que o Filho de Deus que foi morto, ressuscitou três dias depois, como tinha dito aos Apóstolos e os Profetas anunciaram.

Gosto da Páscoa. Gostos dos sinos a repicar e das campainhas a tocar pelos caminhos, anunciando a aproximação do compasso.

Gosto do som dos foguetes a estrelejar no céu, sinal de alegria e de festa. Não há Páscoa como no Norte. Não há Páscoa como no Minho.

“O Senhor ressuscitou verdadeiramente. Aleluia! Aleluia!”
PE. ÁLVARO LAVARINHAS, OH